Almada
Intervenção social
12 May 2022

ACNUR visita centro de acolhimento de refugiados em Almada

Alexandra Kiil-Nielsen, chefe da missão do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) em Portugal, visitou esta quarta-feira o centro, instalado no Caparica Sun Centre.

Image
Almada, ACNUR, Caparica Sun Centre, Refugiados, Intervenção Social

O ACNUR tem reunido com um conjunto de entidades públicas e testemunhado a solidariedade demonstrada por Portugal na resposta à crise de refugiados da guerra na Ucrânia, destacando o papel dos municípios enquanto entidades na linha da frente no acolhimento e integração de refugiados.

A visita da representante do ACNUR ao Caparica Sun Center teve como objetivo conhecer as condições em que os refugiados oriundos da Ucrânia estão a ser acolhidos e quais os procedimentos desenvolvidos pela autarquia com vista à sua integração.

De portas abertas desde o início de abril, até ao momento o Caparica Sun Centre permitiu o alojamento de 77 pessoas, algumas das quais já encontraram outros espaços para residir no concelho e noutros locais do país. Atualmente, as 59 camas disponíveis neste centro de acolhimento estão ocupadas na totalidade.

«Para apoiar a comunidade de refugiados, o Caparica Sun Centre tem, desde o final de abril, uma equipa da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) constituída por dois técnicos – uma de serviço social e outro de psicopedagogia –, que resulta de um protocolo entre o município, a CVP e o Alto Comissariado para as Migrações», afirmou Teodolinda Silveira, vice-presidente e responsável pela área da Intervenção Social da CMA.

Como explica Jéssica Alves, assistente social e coordenadora da equipa da CVP, «estamos a diagnosticar quais as necessidades das pessoas que aqui estão alojadas e o que podemos fazer para ajudar a supri-las, mas, ao mesmo tempo, estamos já a atuar nas situações mais prementes».

Nos últimos dois meses, os serviços de intervenção social da CMA receberam cerca de 500 e-mails com pedidos de apoio às famílias refugiadas. Além das visitas domiciliárias realizadas, num total de 80 pessoas abrangidas, foram disponibilizadas roupas, artigos de higiene, fraldas e produtos para bebés. Procedeu-se ainda à integração de cerca de meia centena de crianças e jovens nas escolas do concelho.

Os refugiados que chegam a Almada têm ainda a possibilidade de assistir a aulas de Português e recebem cabazes alimentares através do Centro Paroquial e Social Nossa Senhora da Conceição da Costa da Caparica, no âmbito do protocolo com a CMA.

No domínio do alojamento está em desenvolvimento um protocolo entre o município, o ACM e o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, no âmbito do Porta de Entrada – Programa de Apoio ao Alojamento Urgente, estando em curso 36 candidaturas que abrangem no total 106 pessoas.

Mantém-se ativo o e-mail sosucrania@cma.m-almada.pt para quem precise de ajuda, pretenda obter esclarecimentos, sinalizar situações ou disponibilizar apoios.

 

Mais informações:
sosucrania@cma.m-almada.pt