Educação
24 November 2022

Encontro Nacional das Cidades Inclusivas

Dedicado à experiência de ensino/aprendizagem em contexto digital, um modelo que ganhou maior expressão durante a pandemia, o Encontro Nacional das Cidades Inclusivas trouxe para cima da mesa a reflexão sobre as dificuldades, as oportunidades e os efeitos do ensino a distância, considerando a inclusão como objetivo chave.

Image
Encontro Nacional das Cidades Inclusivas 2022
Encontro Nacional das Cidades Inclusivas 2022

“Uma cidade educadora é, antes de mais, uma cidade que inclui”, disse Teodolinda Silveira, vice-presidente da CMA, durante a abertura do encontro que regressou este ano a Almada e que teve como mote a questão “COVID-19 | Ensino a Distância ou Experiência(s) de ensino-aprendizagem em ambiente digital numa situação de emergência?”.

“Sabemos que a escola inclusiva foi aquela que mais sofreu com esta situação anómala que vivemos nos anos 2020 e 2021, que os profissionais da área confirmam a dificuldade de ajustar ao contexto da educação inclusiva as metodologias digitais. Sabemos do empenho e do esforço que fizeram para superar essas dificuldades, mas sabemos que existem consequências”, afirmou a autarca, ressalvando a importância de se pensar e avaliar os efeitos que o ensino a distância teve nas aprendizagens dos alunos.

Esta foi a questão essencial do encontro que, ao longo do dia 24 de novembro, no Auditório Fernando Lopes-Graça, levou profissionais ligados à área da Educação, autarcas, pais e estudantes, entre outros intervenientes da Comunidade Educativa, a pensar os desafios da aprendizagem a distância.

Neste encontro, houve oportunidade para assistir a uma “audição ativa” da professora de Educação Musical, Ângela Morais, um dos rostos do programa de telescola #estudoemcasa, distinguida pela Global Teacher Prize na categoria de adaptação e inovação no ensino a distância.

David Rodrigues, especialista em Educação Especial, deu a conhecer mais sobre a “Cidade” enquanto “verdadeira sala de aula do futuro”. Ao longo deste dia, houve tempo para conhecer projetos municipais na área da Educação, criados em contexto pandémico, dinamizados por autarquias portuguesas.

“Covid-19 e Ensino a Distância, uma oportunidade (perdida) de mudança de escola?!” foi a questão lançada ao painel que integrou vários intervenientes da Comunidade Educativa, entre autarcas, docentes, psicólogos, pais e alunos, onde foram partilhadas experiências vividas no contexto de pandemia.

Durante o encerramento, João Costa, ministro da Educação, falou dos dois anos de pandemia, dos confinamentos e das respostas dadas na área da Educação. “Não nos esqueçamos da “lupa gigante” [contexto pandémico] que foi colocada sobre o sistema educativo porque tudo aquilo que vimos durante a pandemia continua cá”, ressalvando a importância do trabalho em rede, a importância de diversificar os instrumentos e metodologias de ensino e aprendizagem, a importância de trabalhar competências sociais e emocionais, ou a importância de trabalhar mais com os encarregados de educação.

“Se queremos ser inclusivos não deixemos que as portas e as janelas que se abriram se voltem a fechar”, disse Inês de Medeiros, salvaguardando a importância da vivência do espaço público enquanto espaço de inclusão “para que as pessoas se sintam em casa na sua praça, na sua rua”. 

A iniciativa, coordenada pelo Município de Almada, foi enquadrada na atividade desenvolvida pela Rede Territorial Portuguesa das Cidades Educadoras – Grupo de Trabalho Cidades Inclusivas.